Updates: Oi, Sumida!

domingo, 19 de março de 2017 2 comentários
Depois de digitar e apagar mais de 10 vezes o início do post, começo escrevendo sobre a dificuldade que é voltar a postar após 5 meses. Imagino logo o diálogo.

“Oi, Quanto tempo?! Sabe que amo Muse, adoro futebol e viajar, né?!”
“É?! Mas...a gente se conhece?!”, respondeu alguém com um sorriso amarelo.

É complicado! Mas a gente vai passando por cima, se conhecendo melhor. Então, deixa eu dar meus updates. 

Fiz minhas primeiras tattoos


Falei nesse post aqui sobre minha vontade de fazer algumas tattoos. Esse ano, parei de enrolar e me dei de presente duas babies. Uma montanha, na costela, e os perfis do meu pai, da minha mãe e irmã, no braço. Amei o resultado.



O desenho da montanha foi retirado de uma foto que tirei em Vancouver, no Canadá. Era um lugar que costumava tirar meu fôlego sempre que olhava. Queria ter feito maior, mas, na hora, pedi pra diminuir...kkk primeira tatuagem, sabe como é?! Tensa!

A da minha família, eu tinha a ideia há muito tempo. Queria algo sem muitos detalhes. O importante era que eu os reconhecesse. <3

Voltei pra química



No mesmo post da tattoo, falei um pouquinho sobre minha transição capilar. Fiz todo o processo, fiquei com o cabelo 100% natural e não curti muito. Foi um período bem complicado. Crise de ansiedade misturado com a insatisfação/não sei lidar com o cabelo, química! Não sinto que fracassei. Encarei como “não preciso fazer isso agora. Pode ser depois”. Então, busquei a melhor opção (para mim) pra ficar bem num momento difícil. 

Sou empreendedora




No meio do ano passado, comecei a praticar o bordado livre. Infelizmente, tive que dar uma pausa. Só no início desse ano voltei a bordar. Voltei com uma lojinha que é a A Coisa Mais Linda. Tô muito feliz com esse trabalho. Em poder compartilhar e dizer: “hey, olha o que eu fiz!”. De ficar namorando cada bordado. De saber que aquilo só vai fazer o bem para outra pessoa. Sou muito humanas. Hahah

Então, segue, curte, compartilha A Coisa Mais Linda no facebook e no instagram.  Dá uma ajuda pras migas blogueiras, empreendedoras.

Ansiedade

Olarty / Getty Images

Eu queria muito ter atualizado o blog. Ter feito uma retrospectiva 2016. Um post com metas para 2017. Os posts mais lidos do ano. Mas não deu. Tinha/tem uma ansiedade no meio do caminho, que me quebrou toda e até agora tô juntando os caquinhos. Aprendendo e ensinando diariamente como é viver com essa doença. Primeira lição: vamos substituir um "por que essa ansiedade? por um abraço bem apertado e bem demorado. <3     



Feliz em voltar a escrever aqui.
 Beijos, Mari! :)

Facebook | InstagramTwitter |Spotify | Bloglovin | Pinterest

Todo dia é dia de Kipling

quinta-feira, 27 de outubro de 2016 4 comentários
A Kipling sempre mexeu com os meus feels desde os tempos de escola - olha que isso tem uns 10 anos já. O mais legal é que a marca vem se reinventando sem perder a identidade. Os lançamentos continuam um amorzinho e bem versáteis para combinar com a rotina de qualquer pessoa.

Por isso, escolhi falar sobre a linha de ocasião Everyday no IV Seleção de Correspondente Kipling, que é aquela linha que orna com o trabalho e a diversão.

Peguei, então, a bolsa que mais fez meus olhinhos brilharem e montei looks brincando com o "nosso cotidiano". É óbvio que é impossível citar todos os estilos de vida aqui. Mas o mais bacana é que não existe regra, principalmente, se tratando de Kipling. Bora lá?!


Todo mundo tem aquela calça boa de guerra, que enfrenta tudo e todos quase que diariamente. E com bolsa não é diferente. A gente tem aquela queridinha de todo santo dia, não é mesmo? E como é liberado sonhar, escolhi a Dominica KC, da coleção City, pra ser a coringa que você mais respeita.

Tô encantada pela bolsa. Tanto que estou fazendo um post praticamente exclusivo pra essa belezinha. <3 A Dominica é superdemocrática. Vai facinho da faculdade pro trabalho, do parque pro shopping.

Dá uma olhada nos looks pra se inspirar.
O primeiro look sou bem eu na vida. Mas esse look de fim de semana ganhou meu core.

Socorrorr! Apaixonada pelos dois primeiros looks. 


Viu só como a Dominica é bem democrática? Combina tanto com looks mais casuais quanto com os mais ousados. Agora me diz com qual "rotina" você mais se identificou? Em relação a cor: bege ou prata?

Confesso que quando sentei pra escrever esse post eu tinha uma preferida, a bege. Pensava que ia ter dificuldade em montar looks com a prata. Mas até que não. Meu estranhamento com a bolsa com vibes futurística passou rapidinho.

A Dominica é do jeitinho que gosto: básica, além de ser transversal e pequena. Pontos que levo muito em consideração na hora de escolher uma bolsa pro meu dia a dia.

-x-x-

Preparei também um vídeo apresentando outras bolsas e brincando com o estilo de vida e a personalidade das pessoas. E já dizia o título dessa postagem: todo dia é dia de Kipling. ;)

Já peço mil desculpas se pronunciei o nome de alguma bolsa errado, vai que...Espero que curtam!






Animada de estar participando pela primeira vez da Seleção de Correspondente Kipling.
Imagina que louco... :p

Se você não sabe do que tô falando corre nesse link que tem tudo bem explicado.
Mais sobre a Kipling e dicas 10/10 sobre moda, vida e o mundo blogueiro, acessa o blog oficial da marca.

 Beijos, Mari! :)

Facebook | InstagramTwitter |Spotify | Bloglovin | Pinterest

Tá Todo Mundo Mal, o livro da Jout Jout

terça-feira, 12 de julho de 2016 3 comentários


Tá Todo Mundo Mal, escrito por Julia Tolezano (mais conhecida por Jout Jout, youtuber e rainha da coisa toda <3), reúne uma série de textos sobre "nossas" angústias cotidianas.

Faço a minha inclusão, porque, de uma forma ou de outra, percebo um pouco de mim em várias angústias, ou crises, como a própria Jout Jout chama. Deve ser, por isso, todo o sucesso de Julia na internet: possibilitar a identificação com o outro.

Quantas vezes compartilhei um vídeo da Jout com uma amiga, porque era exatamente como me sentia ou pensava sobre alguma situação banal ou não? E, foi a mesma coisa com o livro. Aliás, fiquei bem confusa sem saber se determinada história li no livro ou vi no youtube. Sem falar da capa, né?! hahah


As crises vão desde o medo de ser violentada na rua, passando pela difícil tarefa que era cuidar de um tamagotchi (segundo ela, porque não tive tamagotchi), conflitos éticos na faculdade de jornalismo (oi!), até chegar no medo das críticas e na insegurança (olá!).

Em algumas dessas que citei, Jout Jout fala sobre inventar entrevistas, aspas maravilhosas quando cursava jornalismo. Acho que depois de 4 anos formada posso falar: também inventei uma miniaspa. Lembro que me senti péssima, mas era isso ou minha pauta caia e eu reprovava. hahaha

E a crise do Gregório? Jout disse que o livro quase não saiu, porque ela imaginou Gregório Duvivier lendo e achando o livro meio tosco. Ah, minha gente...quantas vezes não compartilhei posts nas minhas próprias redes sociais, não escrevi textos aqui no blog, porque não queria que conhecidos lessem e achassem meio tosco? hahah

Em outras crises, não vi o menor sentindo, porém devem fazer total sentido para outras centenas de pessoas. Enfim, é um livro escrito de um jeito bem espirituoso. Simples sobre situações, sentimentos, coisas corriqueiras.



Se você ainda não conhece o canal da Jout Jout, fica a indicação e as desculpas por escrever como se todos soubessem quem é Julia. :)
 Beijos, Mari! :)

Facebook | InstagramTwitter |Spotify | Bloglovin | Pinterest

O que a interwebs fala? #4 #Intercâmbio

domingo, 3 de julho de 2016 1 Comentário

Não sei  qual a necessidade de colocar duas hashtags no título do post, mas enfim...

Nos últimos meses, acabei falando bastante sobre intercâmbio no blog. É um assunto que amo e sei quão importante é, para as pessoas que estão em fase "pré-embarque", conhecer histórias e experiências de outros intercambistas. Ajuda acalmar os nervos. hahaha

Então, decidi fazer um O que a Interwebs fala? especial de intercâmbio, fazendo um apanhado de tudo que postei sobre o assunto e mais uma entrevista bacaninha que dei para EF.

Fiz intercâmbio de um mês em Vancouver e...

O Fiz intercâmbio de um mês em Vancouver e... foi o primeiro post que fiz sobre o assunto. Tem um apanhado geral sobre o intercâmbio e a cidade.

Como é morar em residência estudantil?

Em Como é morar em residência estudantil?, contei sobre a minha rotina e os pontos positivos e negativos de morar em student house.

Como é morar em casa de família (Inglaterra)?

Convidei a Évelin para falar sobre Como é morar em casa de família? A Évelin morou em Brighton, na Inglaterra, e fez um post bem legal sobre o assunto.

Como é morar em casa de família (Canadá)?

No post Como é morar em casa de família (Canadá)?, minha amiga, Andi, também, contou a experiência dela morando com hostfamily. Ela falou sobre o primeiro contato e o convívio com a família canadense.

Palavra de Intercambista: Vancouver

A EF (empresa de intercâmbio) me convidou para dar minha palavra de intercambista sobre Vancouver, no Canadá. Ficou bem legal a entrevista no blog deles. Contei sobre minhas impressões, meu lugar favorito, dica de restaurante bom e barato e por que recomendo o Canadá <3.



Beijos, Mari! :)
Facebook | InstagramTwitter |Spotify | Bloglovin | Pinterest
 
Desenvolvido por Michelly Melo.