Mari no Rock in Rio

domingo, 29 de setembro de 2013
Ainda dá tempo de falar sobre o Rock in Rio? :)


É complicado falar sobre gosto. Gosto musical então nem se fala. O que é bom pra mim, pode ser uma tortura pra você e vice-versa. Então tudo que eu falar aqui é baseado somente na minha experiência e nas minhas percepções. E você pode ter tido outras impressões completamente diferentes.



Esta foi a segunda vez que fui ao Rock in Rio (2011-2013). Então consigo comparar algumas coisas, mesmo tendo ido apenas um dia (14/09) do evento em cada uma das edições que fui.

Ponto positivo: 

Esquema de transporte público estava muito bom este ano, tanto na ida quanto na volta. Fui sentada nas duas viagens, não peguei trânsito da Alvorada para Cidade do Rock e vice-versa, e também não peguei trânsito da Alvorada para o Centro, onde estava hospedada.

Em 2011 foi uma bagunça. Eu pensava que nunca mais ia voltar pra casa, porque eu não via ônibus nem táxi livre. Mas aí apareceu uma van – quase certeza que era clandestina – e salvou nossas vidas.

Outra coisa legal foi poder entrar com comida e água.


Ponto negativo:

Queria entender o motivo de colocarem o Offspring no palco Sunset? Por falar em palco Sunset, por que não liberaram o som dos shows que estavam tendo lá para o pessoal do Palco Mundo ouvir? A gente só via as imagens no telão e nada de som. Não sei se existe alguma razão técnica para isso, mas acho que poderia ser repensado para outras edições.

Um dos pontos positivos na edição passada foram os banheiros que estavam limpos até depois dos shows. Neste ano, as coisas estavam beeem diferentes e beeem sujas.

Shows




Nenhuma das bandas do dia 14/19 eu posso dizer que levaram o prêmio "show da dor" (hora em que aparecem dores nos pés, nas costas e nos ombros. Ah, aparecem também a fome e o sono).

Dos três acima, o que eu mais gostei foi Florence and The Machine. Ela tem carisma e uma voz linda. O show foi magicamente encantador, aliás, a Florence parece uma fadinha, a “Fadinha Velocista” como disseram no Twitter.



O melhor da noite






Agora vou falar do melhor show do Rock in Rio: MUSE. :) A banda foi a melhor pelos motivos de: sou fã. Logo minha opinião não é muito confiável. Calma, não é bem assim. Sou fã, mas sou lúcida. :)

Não estou falando de animação, do começo ao fim da pista cantando enlouquecida. Eu falo de música, técnica,
som, guitarrista fod@, baixista mais ainda, entrosamento e etc. Todos esses e outros mais aspectos que fazem uma
banda ser incrivelmente BOA.  Não que eu seja uma super entendedora de música, mas os caras são tão bons ao vivo, que gerou até discussão sobre eles terem feito playback. O que é muito engraçado para quem já conhecia a banda. Além de ter sido a melhor, Muse ainda foi surpreendente. Eu não esperava aquele tanto de gente cantando. Sei que a banda não era muito conhecida aqui no Brasil. Então fiquei surpresa com o público.

Curiosidades

O palco era o mesmo da edição anterior, tanto que ainda tinha marcas da "pichação amor" do Chris Martin (Coldplay). Lembram que ele grafitou RI? Pois é, ainda dava para ver o coração.
Nenhum dia do Rock in Rio 2013 superou o público, em quesito animação/devoção, do Coldplay em 2011. Nenhuma música superou o que foi Yellow e In my place naquele dia.
Os papéis picados jogados no show do 30 Seconds to Mars tinham frases escritas.



E o Rio é lindo...


Nenhum comentário

Postar um comentário

 
Desenvolvido por Michelly Melo.